segunda-feira, 21 de março de 2011

Linhas suplementares superiores e inferiores e a Clave

Falaremos hoje das linhas suplementares superiores e inferiores e a Clave.



LINHAS SUPLEMENTARES SUPERIORES E INFERIORES

Como vimos na aula anterior, a pauta também chamada de pentagrama, é composta por 5 linhas e 4 espaços, entretanto, não é suficiente para conter todos os sons musicais que o ouvido pode apreciar. Por esse motivo, usam-se linhas chamadas suplementares superiores ou linhas suplementares inferiores, que são colocadas respectivamente acima ou abaixo da pauta. Usa-se também nos espaços que são formados por essas linhas, espaços suplementares superiores ou inferiores. 





As linhas e espaços suplementares superiores, conta-se de baixo para cima e as linhas e espaços suplementares inferiores, conta-se de cima para baixo. O número de linhas e espaços suplementares não é limitado, porém, não é comum colocar mais de cinco. 


A CLAVE

Para determinar o nome da nota e a sua altura na escala, coloca-se na extremidade esquerda da pauta um sinal chamado clave.

Existe três sinais de clave:





Vejamos as posições das claves na pauta:

CLAVE DE SOL NA 2ª LINHA





CLAVE DE FÁ NA 4ª LINHA (mais usada) E CLAVE DE FÁ NA 3ª LINHA





CLAVE DE DÓ: 1ª, 2ª 3ª(mais usada), 4ª LINHA



Como vemos, cada clave dá seu nome à nota escrita em sua linha.



CURIOSIDADES:
  1. Antigamente, foi usada uma clave de sol na 1ª linha, porém, deixou de ser empregada porque a altura de suas notas ficavam exatamente iguais a altura das notas da clave de fá na 4ª linha.
  2. Existe também outra posição na clave de fá, escrita na 5ª linha da pauta.
  3. Atualmente as posições das claves mais usadas são: a clave de sol na 2ª linha, a clave de fá na 4ª linha e a clave da dó na 3ª linha.

Vejamos as posições:





Bom ficamos por aqui.
Até a próxima aulas.


Fontes de pesquisas bibliográficas: Princípios basicos da música para juventude - Maria Luisa de Mattos Priolli e Teoria da música - Bohumil Med - 3ª edição. Fotos do google imagem.




4 comentários:

Ticva (Talmid) Silva disse...

Olá Lai!

Estou dando uma pesquisada em canto gregoriano pois, além de ser muito lindo, me lembra o papel do Hazan na Sinagoga, porém as partituras para canto gregoriano usam uma notação diferente, tanto da clave como das figuras. Você sabe me dizer como interpretar estas partituras?
Segue link para umas delas:

http://www.gregoriano.org.br/gregoriano/partituras28.htm

http://www.gregoriano.org.br/gregoriano/imagens/128-Pater%20nosterA%20(Small).jpg

valeu!

Laíspianist disse...

Olá Esperança!

Estive analisando o material que me mandou, realmente o canto gregoriano é semelhante a maneira litúrgica de cantar os salmos judaicos. O material que vc me mandou, são partituras em escrita antiga, vc observe que tanto as figuras como a clave de dó e a própria pauta (de 4 linhas) eram escritas de maneira bem diferente que vemos hoje.

Sinceramente é difícil de interpretá-las, devido a escrita mesmo, principalmente das figuras... por exemplo, onde seriam as mínimas, semínimas, onde por ventura estariam as colcheias... enfim, é bem diferente rsrs.

A estrutura dessas partituras se baseam na forma modal (modos gregos), eram a base da escrita na época da Idade Média.

Minha idéia é: como tem os áudios dessas músicas, basta utilizar o método da audição, ouve o canto, e tenta interpretá-las, seguindo a linha melódica da música, e quem sabe ouvindo, consegue entender e seguir um pouco do que está escrito na melodia.

Bom, acho que é isso... rs..
Valeu por comentar.
Shalom!

Anônimo disse...

Oi Ticva!

Estou procurante partituras de músicas atuais para duas vozes, para coro feminino. Estou com dificuldade pq maioria das partituras são em encore. Você pode me ajudar a encontrar em PDF?

agradeço a atenção

Fátima

Isa U.U disse...

Oi, talvez você consiga me ajudar.
Eu estou tocando o solo de Chalana, porém há a nota Si e Lá nas linhas superiores e não encontro o lugar delas no violão. Você conseguiria me ajudar ?